Os catadores de materiais recicláveis da Associação Nova Esperança, na Ilha de Valadares, em Paranaguá, devem aumentar seus rendimentos com uma nova esteira de separação de resíduos concedida pelo Instituto Paranaense de Reciclagem (InPAR). O trabalho de triagem de um bag com resíduos, que levava em média meia hora para ser concluído, passou a ser feito em menos de dez minutos. A entrega oficial do equipamento foi realizada como uma ação que visa atender o cumprimento legal da Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei nº 12.305/2010).

Para a concessão, o Instituto analisa uma série de critérios, como o grau de organização da cooperativa, os equipamentos necessários e o porte da cidade, que deve ter mais de 80 mil habitantes. O InPAR estrutura o projeto para a associação candidata à melhoria, e um comitê técnico faz a avaliação do pedido. “O Acordo Setorial de Embalagens em Geral deve prever que o setor produtivo recupere 22% das embalagens comercializadas. Isso pode ser feito por meio de capacitação de catadores, ou por concessão de equipamentos. Nós optamos por conceder maquinário, por entendermos que dessa forma também conseguimos melhorar o rendimento financeiro dessas pessoas que fazem o trabalho tão importante de triagem de recicláveis”, explica Rommel Barion, presidente do InPAR.

Cristiane Rosa Cordeiro está na Associação Nova Esperança há três meses. Voltou depois de ter sido mãe pela quinta vez. “Meu marido está desempregado e sou eu, com esse trabalho, que sustento minha casa. Tudo que vem para melhorar a associação é muito bem-vindo”, conta a trabalhadora.

A Associação tem atualmente 15 associados e uma fila de espera de pessoas que querem trabalhar com reciclagem. A presidente da Nova Esperança, Silvia Paszko Zuzi, espera aumentar a sede para poder receber mais associados. “O caminhão de recicláveis passa por aqui às terças e sextas, mas sabemos que podemos trabalhar muito mais com a modernização da cooperativa. Trabalhamos com material de todo tipo porque, além da preocupação com o ganho financeiro no fim do mês, temos uma grande preocupação com o meio ambiente”, explica Silvia, que está na Associação há 10 anos.

O secretário de Meio Ambiente de Paranaguá, Vinícius Yugi Higashi, que também estava na cerimônia, comemorou a chegada da esteira, que deverá melhorar a qualidade de vida dos trabalhadores. “Sabemos que a localização de uma associação de coleta seletiva em uma ilha já é algo que dificulta o trabalho dessas pessoas, por conta da logística.

Com a esteira, esse processo ganha mais velocidade, os trabalhadores ganham em ergonomia, ficam mais protegidos de resíduos perigosos, e o município também ganha, economizando o que seria pago ao aterro”, analisa Higashi.
A Associação Nova Esperança é a terceira a receber equipamentos do InPAR. As outras duas beneficiadas ficam em São José dos Pinhais.

Além de representantes do InPAR e do secretário de Meio Ambiente de Paranaguá, a solenidade de entrega oficial da esteira teve a presença do gerente de contratos operacionais da Paviservice, que administra o serviço de caminhões de coleta da cidade, José Leandro Pontes, e dos fiscais de contrato da Paviservice, Joel Mendes Veloso e Harley Lopes Salgado.

Sobre o InPAR
O Instituto Paranaense de Reciclagem (InPAR) é uma instituição que tem o propósito de operacionalizar um sistema estadual de logística reversa de embalagens pós-consumo, visando atender às determinações impostas pela legislação vigente no âmbito estadual e federal. Fundado por seis sindicatos industriais (Sincabima, Sindicarne, Sindiavipar, Sinduscafé, Sinditrigo e Sipcep), com o apoio da Fiep, o Instituto possui 37 associadas de diferentes segmentos da indústria.