O lançamento do selo do InPAR representa uma sinalização efetiva ao consumidor de que a marca é sustentável e possui um compromisso efetivo com o meio ambiente por meio dos investimentos em logística reversa. Mas o selo gera impacto junto ao consumidor? Representa de fato um diferencial na hora da compra? A resposta é sim. Esse tipo de iniciativa pode, de fato, fazer a diferença na hora da compra.

Uma pesquisa da IBM, realizada no início de 2020 com cerca de 19 mil consumidores de 28 países (com idades entre 18 e 73 anos), identificou algumas tendências favoráveis. Segundo os dados, 79% de todos os consumidores afirmam ser importante que as marcas forneçam autenticidade garantida, como certificações, ao comprar produtos. Entre elas, 71% dos entrevistados estão dispostos a pagar um valor adicional (em média 37% a mais) para empresas que se manifestem positivamente nesse sentido. Outro número positivo é que 70% dos compradores que valorizam seus propósitos pagam um valor adicional de 35% do custo inicial para compras sustentáveis, como produtos reciclados ou ecológicos.

Outra pesquisa realizada pelo Latin American Quality Institute, feita com executivos de 19 países, identificou que 67% dos entrevistados consideram necessária uma estratégia de sustentabilidade para serem competitivos hoje.

Além disso, é importante salientar que os investimentos em sustentabilidade fazem parte dos índices ESG (Environmental, Social and Governance), que identificam empresas que possuem boas práticas em relação à sustentabilidade (relacionada a fatores ambientais, como uso de recursos naturais, eficiência energética e gestão de resíduos), ao âmbito social (como inclusão e diversidade, direitos humanos, relações de trabalho) e de governança (ligadas a ética, transparência, comitês fiscais e de auditoria, entre outros). O índice ESG tem sido levado em conta por parte de investidores na hora de colocar recursos em uma determinada empresa. Na bolsa de valores, também há um forte movimento para a compra de ações por parte de empresas com alto índice ESG. Para se ter uma ideia, um relatório da ONU mostrou que US$ 86 trilhões foram aplicados em ativos sustentáveis em 2019, o dobro em relação há 5 anos.